Esmaltes podem transmitir Hepatite C

Profissionais, clientes e donos de salão há tempos se preocupam com a esterilização correta dos equipamentos usados pelas manicures (alicates, espátulas, lixas, etc.) a fim de prevenir a transmissão de doenças como hepatite, aids e micoses. O que muitos esquecem é que o esmalte também pode ser um agente transmissor dessas doenças.


Super Recomendo!


A hepatite é uma doença silenciosa que pode demorar até 20 anos para se manifestar, estudos apontam que 75% população que tem Hepatite C, é assintomática. O vírus da hepatite C, que se mantém vivo por mais de 7 dias no sangue seco,  pode se manter vivo por até 15 dentro de um frasco de esmalte. A transmissão no esmalte ocorre depois que a manicure ao retirar a cutícula, fere o local (cutilada ou bife), ocorrendo o sangramento. Ao passar o pincel do esmalte sobre a cutícula e a unha, contamina o pincel com o sangue que ao ser levado pra dentro do frasco de esmalte, armazena ali o vírus por até 15 dias.

ATENÇÃO: O vírus só consegue se manter vivo em esmaltes que não contenham amônia, hipoclorito de sódio ou álcool 70% em sua fórmula.

Mas, como me prevenir?

Listamos algumas medidas para prevenir a transmissão da doença através dos esmaltes.

  • Incentive a cliente a trazer o seu próprio material. Algumas clientes já preferem levar o próprio kit de alicates e lixas, incentive-as a trazer também o próprio esmalte.
  • Fique sempre atenta à composição dos esmaltes que você utiliza.
  • Em caso de sangramento durante o serviço, descarte o esmalte após o uso.
  • Tenha mais de um esmalte das cores favoritas das clientes. E, em caso de sangramento, não use o esmalte por 15 dias (o tempo que o vírus sobrevive no esmalte) em outra cliente.
  • Utilize kits descartáveis de pintar as unhas. Os kits são formados por pincéis descartáveis e potinhos de vidro (ideal para a quantidade de esmalte necessária para uma esmaltação) que podem ser esterilizados na autoclave.

Falta de informação e conscientização

Em uma pesquisa feira pela SECRETARIA DA SAÚDE DE SÃO PAULO mostra que uma em cada dez manicures paulistana está infectada pelo vírus das Hepatites B ou C. Além do esmaltes, alicates, espátulas e até lixas manipuladas por elas podem ser meios de contaminação. Confira os resultados da pesquisa:

  • Todas as manicures usam os instrumentos em si mesmas.
  • 85% delas não sabiam que o sangue infectado transmite as hepatites B e C.
  • 74% não se vacinaram contra a hepatite B.
  • 54% procuram esterilizar seus instrumentos em estufa, mas não o fazem na temperatura e no tempo adequados.
  • 26% procuram esterilizar seus instrumentos na autoclave, mas não sabem utilizá-lo corretamente.
  • 8% aquecem instrumentos em fornos de cozinha, o que não surge o efeito esterilizador.
  • Nenhuma lava as mãos entre um cliente e outro.

A importância de estar atento ao risco de contrair hepatites nos salões de beleza é tamanha que se tornou tema de palestras, nas orientações sobre DST/Aids e hepatites virais que a rede pública de saúde oferece aos cidadãos assistidos pelo SUS. O Ministério da Saúde criou a campanha “Meu Salão Livre das Hepatites” para orientar manicures e pedicures práticas seguras no ambiente de trabalho. O manual com as práticas pode ser acessado no site do Ministério da Saúde.


Super Recomendo!





4 thoughts on “Esmaltes podem transmitir Hepatite C

  1. Tha

    Existe uma empresa chamada O Broto de Flor que trabalha com todos esses produtos, inclusive o pincel descartavel e o pote para esmalte

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *