a-importancia-de-escolher-o-calcado-certo

Mais importante do que combinar o calçado com o resto do figurino é saber qual o tipo mais apropriado para dirigir. Preciosismo? Não se pensarmos que dessa escolha dependem uma direção segura e a prevenção de dores e lesões nos pés e tornozelos, especialmente em motoristas que passam muito tempo ao volante.

“Uma eficiente operação dos pedais exige sensibilidade nos pés”, diz o jornalista especializado em automóveis e ex-campeão brasileiro de velocidade Bob Sharp. Os calçados estreitos e de sola fina, como o mocassim, são os mais recomendáveis por Bob. “Esse tipo permite ao motorista ter a percepção necessária dos pés nos pedais, essencial para uma boa condução”. Como exemplo, o jornalista cita o vídeo em que o piloto Ayrton Senna testa um Honda NSX usando um mocassim. “Infelizmente, os de boa qualidade não são mais vendidos no Brasil, apenas na Europa”. Na mesma linha, ele recomenda também as botinhas ou sapatilhas usadas por pilotos. Bob lembra que os solados de borracha não descarregam a eletricidade estática.

Da mesma opinião de Bob, Roberto Manzini, ex-piloto e instrutor especialista em pilotagem, aconselha aos motoristas sapatilhas semelhantes às usadas pelos piloto. “Quanto maior a espessura do sapato menor a sensibilidade. O ideal é que o calçado tenha solado fino, não saia do pé, não escorregue e permita ao motorista sentir bem os pedais”, explica Manzini. O instrutor chama a atenção também para os cadarços, que soltos, podem atrapalhar o movimento dos pés e causar acidentes.

Já para o médico ortopedista Alberto Mendes, especialista em pé e tornozelo, se, por um lado, os calçados de sola fina dão mais sensibilidade ao motorista; por outro, um solado muito flexível pode causar lesões. “O ideal é que o solado seja rígido para impedir o movimento de apenas uma parte dos pés, como só dos dedos, do calcanhar ou da lateral do pé”, diz Mendes. Segundo especialista, os casos de inflamação por dirigir com o calçado errado não são tão comuns. “O que vemos mais frequentemente no consultório são traumas causados pela maneira errada de apoiar e distribuir o peso dos pés no pedal”.

O primeiro ponto a ser observado, segundo o ortopedista, é a posição do banco do motorista. “Com o banco muito para frente ou muito para trás não há distribuição correta do peso; daí, alguns motoristas dirigirem com a lateral dos pés, com o calcanhar os apenas com os dedos”, alerta Mendes.

Descendo do salto

Embora a proibição não seja prevista em lei – de acordo com o artigo 252 do Código Brasileiro de Trânsito, é proibido dirigir usando calçado que não se firme nos pés ou que comprometa a utilização dos pedais – o salto alto não é, segundo o ortopedista, o calçado ideal para dirigir. “Ele força as mulheres a usar apenas os dedos, o que gera dor de compressão no antepé. Por evitar o problema, elas podem deixar um calçado no carro para dirigir, colocando o salto alto apenas quando deixar a direção”, aconselha.

A analista Tatiane Cardoso Silva diz ter se acostumado a dirigir com salto para compensar o 1,59 m de altura, mas enfrenta outros problemas. “Forço demais os dedos dos pés e, às vezes, acontece de a ponta do sapato escapar do pedal, o que é meio arriscado. Sem o salto, porém, tenho de ficar muito próxima ao volante”.

Para os sem padrão – muito baixinhos ou muito altos – é preciso procurar ajustes milimétricos de banco (altura, profundidade, inclinação), de coluna (altura e profundidade), de direção, cinto de segurança regulável, movimento dos espelhos (interno e externo), entre outros itens de ergonomia, além de orientar-se com a fabricante do modelo/versão desejado sobre como garantir que o veículo não seja inimigo do motorista.

Pés em boas mãos

Eles são o contato entre o homem e a terra, e um dos mais importantes lugares simbólicos do corpo. “Os pés representam a força da alma, o suporte da postura ereta, a base de nossa estatura”, diz Evaris E. de Miranda, autor de Corpo – Território do Sagrado (Loyola). Diante disso, vale dedicar um tempo, no final do dia, para cuidar dos pés como eles merecem.

A dica vem da Índia, dada por Harish Johari, autor de “Dhanwantari – um guia completo para uma vida saudável segundo a tradição Ayurvédica” (Pensamento). “Uma simples massagem com óleo de mostarda nos pés toda noite, antes de se deitar, cura o entorpecimento dos pés, previne as rachaduras causadas pelo frio e a pele escamada, reduz ou elimina as infecções causadas por fungos e bactérias, diminui a agitação e estimula o sono profundo. Segundo as antigas Shastras (escrituras) hindus, ‘as doenças não se aproximam de quem massageia os pés antes de dormir, assim como as serpentes não se aproximam das águias’”.

Comments

There are no comments yet.

Leave a comment