Manual de Boas Maneiras para o Podólogo

Manual de Boas Maneiras para o Podólogo

Na Podologia usamos artigos invasivos e não invasivos, para identificar quais procedimento que cada artigo necessita antes de seu uso classificamos os mesmos em artigos:

  • CRÍTICOS
  • SEMICRÍTICOS
  • NÃO CRÍTICOS

Classificação:

  1. Artigos CRÍTICOS: entram em contato com tecido estéril ou sistema vascular. Penetram através da pele são evasivos. Apresentam alto risco de infecção, se contaminados. Devem sofrer esterilização.
    – Bisturis
    – Alicates
    – Fresas / Brocas
  2. Artigos SEMICRÍTICOS: entram em contato com a pele não integra. Devem sofrer desinfecção de alto nível para destruição de todos os microorganismo, com exceção de esporos.
    – Pinça
    – Estilete
    – Espátula
  3. Artigos NÃO CRÍTICOS: entram em contato com a pele intacta. Devem sofrer limpeza.
    – Aparelho de onicoorteses
    – Estojo de bisturis
    – Bandejas
    – Aplicador de gases
    – Caneta / Mandril
    – Monofilamento / Diapazão

Terminologia Aplicada

A diferenciação na terminologia caracteriza não só os processos e produtos usados na assepsia, como também, permite a perfeita situação e compreensão dos mesmos.

Assepsia: é um conjunto de medidas terapêuticas que visam impedir a introdução de microorganismo em local que não os contenha.

Anti-sepsia: prevenção do desenvolvimento de agentes infecciosos por meio de procedimentos físicos ou químicos destina­dos a destruir todo microrganismo ou eliminação das formas vegetativas das bactérias patogênicas de um tecido vivo

Antisséptico – preparação química que aplicada em tecido vivo, age inibindo a multiplicação microbiana ou destruindo-os.

Desinfecção – procedimento usado em material ou ambiente que provoca a destruição de microrganismo patogênicos e a inativação de vírus, mas não necessariamente esporos. Utiliza-se meios físicos ou agentes químicos.

Esterilização – processo usado em material ou ambiente que provoca a destruição de todos os microorganismos patogênicos ou não, inclusive esporos e vírus por meio físico ou preparações químicas.

Limpeza – remoção de material estranho dos artigos.

Degermação – remoção ou redução das bactérias da pele seja por meio de limpeza mecânica (sabões, detergentes e escovarem), seja por meio de agente químicos(antisséptica).

Bactericida – propriedade de um agente físico ou químico, matar as formas bacterianas, não necessariamente as esporuladas.

Esporicida – processo físico ou químico que elimina as bactérias não só na forma vegetativa, como também na esporulada.

Fungicida – substância ou preparação química que mata os fungos patogênicos ou não.

Esterilizante – agente físico ou preparação química que produz esterilização.

Desinfetante – preparação química que destrói os microorganismo patogênicos, inativas os vírus, mas não necessariamente mata os esporos. Usado em superfície e objetos inanimados.

Contaminação – o estado de ser sujo ou infectado.

Higienização

Processo de limpeza, desinfecção e esterilização de materiais (após cada uso)

Pré-embebição (após cada uso)

Colocar o material utilizado no atendimento ao cliente em bandeja com tampa, contendo detergente enzimático. Manter o material em solução por 15 minutos ou conforme instrução do fabricante.

Limpeza (após cada uso)

Utilizar escova com cerdas de nylon.

A limpeza devera ser realizada na fase de pré-embebição

Enxaguar todo material

Abrir todos os instrumentos articulados

O profissional devera utilizar EPIs no momento da limpeza.

Secagem

Secar com pano limpo e seco ou papel

Evitar que os materiais sequem ao natural

Armazenar o artigo ou continuar o reprocessamento, dependendo de sua classificação

Inspeção

Revisar os instrumentais para verificar conservação, limpeza e secagem.

Esterilização (após cada uso)

Procedimento utilizado para destruição de todas as formas de vida microbiana. A diversos métodos de esterilização:

Estufa

A esterilização pelo calor seco, em ESTUFA, é um método apropriado para instrumentos PODOLÓGICO, que tolerem uma temperatura de 170°C. Constitui o meio mais importante de esterilização, nos casos em que a esterilização exige um tempo de aquecimento prolongado e quando o vapor sob pressão é injustificado ou indesejável.

Tempo e temperatura de esterilização:
Tempo mínimo de 2 horas a 170°C para material limpos. Após a desinfecção dos instrumentais, lavado e secado com toalha de papel descartável, coloque na estufa a 170°C, iniciando a contagem de tempo de esterilização.

Autoclaves

É a esterilização pelo vapor SATURADO SOB PRESSÃO é o método aconselhado para instrumentos reutilizável, utiliza-se vapor de água saturado para uma determinada temperatura, esta á máxima pressão.

Tempo e temperatura de esterilização:
Em geral a esterilização é feita em temperatura (Ta) de 121°C, de 15 a 30 libras de pressão por 30 minutos.

Marcações:

3 comentários em “Manual de Boas Maneiras para o Podólogo”

  1. Boa Tarde!
    Respondendo ao questionamento da colega. Existem métodos de esterilização para produtos termossensíveis. Leia sobre óxido de etileno, formaldeido, Glutaraldeído, Peróxido de hidrogênio, Ácido peracético, Plasma de peróxido de hidrogênio e veja o mais adequado para sua realidade.
    Abraço

  2. Faço o pé mensalmente em uma clínica de podologia e tenho uma dúvida quanto à higienização dos recipientes de sprays com água usados para umedecer as unhas com algodão. Como estes sprays são higienizados, já que os recipientes são de plástico e não podem passar por esterilização? Digo isto porque em alguns casos o podólogo pode entrar em contato com secreções do cliente e, seguida, tocar o spray com a luva. Embora não entre em contato direto com a pele, imagino que o spray poderia ser um veículo intermediário de contaminação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *